sexta-feira, 31 de maio de 2013

G.D. Travassós: Declaração de final de época verdadeiramente apaixonante...



Por: Gil Soares

A época terminou e com ela um grande feito: o Travassós ascendeu ao Pró-Nacional, que vem substituir a 3ª Divisão Nacional, num campeonato que contará com 18 clubes, entre eles Maria da Fonte, Esposende, Marinhas, Taipas, Serzedelo…e muitos mais, numa prova que será, certamente, muito competitiva, onde algumas equipas disputarão a Taça de Portugal.
Muitos, certamente, tentarão menosprezar este feito, dizendo que afinal o Travassós não subiu e manteve-se tudo igual! Digam o que disserem, o Travassós atingiu um patamar de uma 3ª nacional e isso ninguém apagará! Continuem a não valorizar o nosso clube, a não dar a devida atenção, porque cada vez a nossa força é maior!
Aqueles que há seis anos atrás, quando disputávamos a 2ª Divisão regional, perante uma entrevista do nosso presidente ao extinto Correio de Fafe, em que afirmava que o objetivo seria atingir os nacionais, se riram e gozaram, apenas dizemos: se jogássemos com palavras em vez de actos, e de trabalho, estaríamos onde muito queriam que estivéssemos. Somos o clube que mais evoluiu em Fafe, tanto a nível desportivo como patrimonial, sem recursos a fundos públicos, mas sim de amigos e patrocinadores!
A todos que pensam que o nosso orçamento é astronómico apenas referimos que é muito menor do que o que pensam, e se for grande estamos á vontade porque não vivemos de dinheiros públicos, mas sim de donativos particulares de pessoas que gostam do nosso clube e vindos, essencialmente, de emigrantes. Pensar ou imaginar ou pressupor ainda não paga imposto, portanto continuem a debater o nosso orçamento, porque para alguns parece mais importante do que o Orçamento de Estado.
Ao amigo Paulo Soares: foste um grande homem, com coragem para te debateres com os demais problemas, porque eles existem e, como muitos fazem, tentam esconde-los! Foste o amigo de longas horas, de esforço e dedicação a uma causa: o nosso Travassós. Tens uma qualidade que muitos não a têm: trabalhas com gosto e ambição, por isso sei que nos teus projetos pessoais tu és capaz de os concretizar.
Ao Marco: juntamente com o Paulo fizeste uma dupla de sucesso. És um amigo a quem o Travassós deve muito nestes dois anos. Foste um dos pilares deste clube. Sentiste o pulsar do clube como jogador e como diretor desportivo e o sucesso é parte de ti!
Ao presidente, Artur Castro: São oito longos anos de batalhas que culminam numa marca histórica! O melhor presidente de sempre do clube e o melhor presidente de Fafe, porque quem dá tudo, como tu, por uma coletividade, só pode ser grande e ter um lugar na história e um prémio de reconhecimento! És o líder de grandes diretores…
Ao Zeca, vice-presidente: és o homem que, em primeira instância, nos fez sonhar e a tua ajuda, e conhecimentos, permitiram um clube de uma aldeia rivalizar com clubes de vilas, cidades… És um símbolo desta bela história…
Ao Sr. Jerónimo: obrigado por ter integrado esta família. Não é fácil fazer o seu trabalho e para quem trabalha “8 dias por semana” para o clube é obra!
Ao tio Jorge: simplesmente o melhor speaker da regional.
Aos jogadores: foram grandes homens. A época foi atribulada pelas mais variadas razões, mas firmes levaram o barco a bom porto. Foram enormes! Contra criticas, contra adversidades…conseguiram!
Aos adeptos: por tudo! O apoio em horas menos boas, porque é muito fácil festejar, mas é difícil suportar as azedas derrotas, porque só quem ama o clube as sente!
 
O TRAVASSÓS DE A a Z POR PAULO SOARES:

A - Andrea, minha esposa que me deu todo o apoio, acompanhando todos os nossos jogos.
B - Bravos, que todos os jogadores foram, ao ultrapassar tantos problemas durante esta época.
C - Compromisso, entre jogadores e equipa técnica, que nos levou ao sucesso.
D - Derrotas, difíceis de digerir, no entanto aquelas onde os intervenientes foram apenas os jogadores foram mais fáceis.
E - Emergir, é o que o Travassós tem feito nestes últimos anos.
F - Feliz, o espirito que me encontro por ser treinador deste clube e ter trabalhado com este grupo.
G - Gil, o melhor diretor que trabalhei, no que concerne á sua presença, respeito, educação, camaradagem, amizade, etc...
H - Honestidade, palavra que tive sempre em conta para este clube, e respectivas pessoas que o gerem.
I - Imaginação, foi o necessário para a direção e equipa técnica, quando em Novembro/Dezembro alterou a sua estrutura e conseguiu sucesso.
J - Jogo, foi colocado muita coisa em jogo, referente á equipa e técnicos, mas felizmente ultrapassamos.
L - Lealdade, o grupo foi leal ao compromisso.
M - Marco, um amigo e companheiro em todas as lutas.
N - Nacional, Pro-nacional, o feito histórico alcançado.
O - Ouvir, saber ouvir foi importante para o grupo.
P - Presidente, foi muito importante na minha continuidade, quando as coisas estavam a correr mal, confiou em mim.
Q - Qualidade, o plantel do Travassós mesmo após a grande revolução tinha muita qualidade futebolística e humana.
R - Revolução, foi necessário fazer uma grande revolução ao plantel inicial.
S - Sofrer, este grupo sofreu muito no decorrer da época.
T - Tempo, para comemorar este grande feito.
U - União, foi a chave do sucesso.
V - Viver, tudo que queremos.
X – Xingar, a todos os que nos “xingaram”, todos aqueles que disseram mal de nós, e com esta conquista ficaram zangados, lamentamos…
Z – Zeca, um amigo e as asas do sonho travassolista.
 

 

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Rally TT Serras do Norte este fim-de-semana. Pentacampeão Miguel Barbosa é o natural favorito


Por: MCG
Pentacampeão nacional de TT, Miguel Barbosa é o natural favorito à vitória na segunda jornada da temporada, o Rali TT Serras do Norte – Sipsmith.
Miguel Barbosa
O único desafio deste CPTT no norte do país disputa-se no próximo fim-de-semana em Fafe e Ribeira de Pena, onde Barbosa espera repetir o feito do ano passado e vencer a prova nortenha.
Acompanhado por Miguel Ramalho, o piloto do competitivo Mitsubishi Racing Lancer afirmou que “esta prova é muito importante. Depois de um intervalo de mais de um mês e dos percalços que aconteceram na primeira jornada, todas as equipas querem dar o seu melhor. Queremos fazer esta prova sem problemas. O carro está preparado para corresponder às nossas expectativas, sem problemas de maior e com uma boa performance, como estamos habituados.”
“Sendo a única competição a norte do país, esperamos ter bastantes espetadores. Os nortenhos da zona de Fafe são muito aficionados pelo TT e por isso queremos proporcionar uma boa prova a todos. É bastante motivante poder competir neste desafio com este público”, acrescentaBarbosa.
O Rali TT Serras do Norte – Sipsmith tem início este sábado, dia 1 de junho, em Fafe. O arranque da Super Especial, num piso já conhecido dos pilotos, está marcado para as 15h00. Já no domingo, esta vigésima edição da prova realiza-se em Ribeira de Pena, no distrito de Vila Real. Com duas passagens por um percurso de 122 km, passando pela zona de Montalegre (Salto), o percurso seletivo começa às 9h00 e a festa do pódio está prevista para as 18h00. A organização está a cargo do Motor Clube de Guimarães e conta com várias zonas para o público ao longo do percurso.

Veteranos da UD Fafe A 60 vão estar entre 22 e 23 de Junho num conceituado Torneio com 21 equipas em Espanha (Sarria - Galiza)


Os Veteranos fafenses da UD Fafe A 60, vão participar nos dias 22 e 23 de Junho de 2013 no IV Torneio Internacional San Xoan na Vila de Sarria, Galiza, em Espanha.
A Organização está a cargo da formação de Veteranos de Sarria, e conta com a presença de 21 equipas!
FafeDesportivo endereça publicamente as maiores felicitações a esta dinâmica e considerada Instituição fafense, como são, indubitavelmente, os Veteranos da UD Fafe A 60.



 



Festa do Futsal é no sábado às 17 horas no Pavilhão Municipal de Fafe

 

A Festa do Futsal realiza-se no dia 1 de Junho (sábado) a partir das 17h no Pavilhão Municipal de Fafe.

Neste evento, realizar-se-á um jogo entre o campeão da Liga Futsal Viagens Fafetur e uma seleção de jogadores de todas as outras equipas participantes.

No final deste haverá lugar à entrega dos trofeus a todas as equipas participantes no  campeonato, às 20horas num jantar na Quinta das Vinhas em Arões.

2.ª Convocatória A.D. Fafe para Eleição dos Corpos Gerentes do Clube


2º CONVOCATÓRIA

         Nos termos Estatutários e Regulamentares convoco os estimados sócios da Associação Desportiva de Fafe para a continuação da Assembleia Geral Eleitoral de 24 de Maio de 2013 para o dia 31 do mês em curso pelas 21.30 horas.

                                               PONTO ÚNICO

Eleições dos Corpos Dirigentes do Clube, Assembleia Geral, Direcção, Conselho Fiscal e Conselho Geral.


         Fafe, 27 de Maio de 2013

 
O Presidente da mesa da Assembleia Geral,


José Manuel Ribeiro Cardoso

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Andebol Feminino com fim-de-semana duro de roer!


Andebol Clube de Fafe


Taça Encerramento Juniores/Seniores Femininas

 


 

Por: Abel Castro

As atletas femininas do ACF têm este fim-de-semana uma tarefa árdua, porque vão jogar no sábado e no domingo.

Numa prova onde as jogadoras fafenses têm defrontado adversários do Porto e Aveiro, no sábado em jogo a contar para a 10ª jornada da Taça de Encerramento, vão jogar fora de portas, em visita ao CJA Garret (Clube Jovem Almeida Garrett).

Na 1ªvolta o ACF perdeu por 23-24, mas vão certamente tentar o melhor resultado possível, apesar de ser um jogo de nível complicado perante as 4.ªs classificadas.

Praticamente sem parar, as briosas atletas do ACF, muitas das vezes esquecidas pelos “Media”, voltam a competir no domingo, recebendo, às 17h, o Infesta. Na primeira volta venceram a equipa de S. Mamede por 26-19.

Apesar do desgaste físico que este fim-de-semana lhes vai provocar, existe a forte esperança de alcançar uma vitória sobre esta equipa, que é a última classificada!

 

Após este fim-de-semana ficam a faltar 3 jogos para o término do torneio, que ocorrerá a 22 de Junho.

Refira-se que a 3.ª melhor marcadora do certame é atleta do A.C.F., de seu nome, Gui Oliveira (na foto em cima).
 

 

terça-feira, 28 de maio de 2013

Já disponível AQUI a entrevista com Vítor Pacheco (ex-Treinador do G.D. Silvares)


FafeDesportivo à conversa com Vítor Pacheco (ex-Treinador do G.D. Silvares)

  • Não faltam treinadores e jogadores interessados em representar o Silvares.

  • Desde muito cedo que ambiciono uma vida ligada ao futebol.

  • Quero atingir patamares que não consegui como jogador.

  • Orgulho-me dos clubes que representei.

  • Gostava que Felgueiras seguisse o exemplo de Fafe.

  • O Francisco Castro terá muito sucesso na sua carreira de treinador.

  • Por enquanto sou um treinador disponível.

  • Tenho de agradecer à minha esposa, que me atura nas más disposições.

 

Por: Abel Castro


FafeDesportivo: Vítor Pacheco, veio para o Silvares, manteve o clube na 1.º divisão, e nesta época consegue o 3.º lugar e a consequente subida de divisão. Fale-nos, apenas em termos desportivos, destas duas épocas no G.D. Silvares…
Vítor Pacheco: Em termos desportivos penso que o balanço é extremamente positivo, foram duas épocas onde o Silvares andou sempre entre os primeiros classificados, onde conseguimos o respeito e admiração de todos os adversários. No primeiro ano tivemos de construir uma equipa completamente nova, apenas três jogadores transitaram do plantel anterior, tivemos a condicionante de só em Outubro termos campo para jogar e treinar uma vez que o nosso estava em obras de colocação do sintético, e mesmo assim conseguimos uma época completamente tranquila, passando a maior parte do tempo nos primeiros cinco lugares. Neste último ano as coisas foram planeadas com tempo e penso que fizemos uma época muito boa, chegamos à penúltima jornada com hipóteses de chegar ainda ao 1º lugar o que por si só diz do trabalho que fizemos! O Silvares é um grande clube, um clube com um rico passado, mas não estarei muito enganado se disser que quando cheguei ao clube este vivia um dos períodos mais negros da sua história, o que valoriza ainda mais o trabalho desenvolvido!
 
FafeDesportivo: Ingressou no clube numa fase difícil. Não teve receio de assumir o risco? É um homem sem medo?
Vítor Pacheco: Quando acreditamos no trabalho que fazemos o receio não existe. O risco está intimamente ligado à profissão de treinador, quem tiver medo ou receio não pode ser treinador de futebol! Quando começamos a construir o plantel na primeira época não tivemos tarefa fácil, convencer os jogadores a fazerem parte de um projecto num clube que nos últimos anos não tinha honrado os seus compromissos foi uma árdua tarefa, felizmente consegui rodear-me de jogadores sérios e competentes, que acreditaram no meu trabalho e na seriedade das pessoas que acabavam de tomar conta do clube. Felizmente tudo correu bem, e hoje não faltam jogadores e treinadores interessados em representar o Silvares, a recuperação da credibilidade do clube e a sua colocação em elevados patamares de rendimento desportivo foram as maiores conquistas nestes dois anos.
FafeDesportivo: Iniciou a sua carreira de treinador muito cedo, numa altura em que jogava futebol. Sentia já nessa altura que era uma personalidade talhada para orientar?
Vítor Pacheco: O fascínio pelo futebol, e neste caso específico pelo treino vem desde sempre, enquanto jogador sempre tive a curiosidade de tentar perceber o porquê de se fazer determinados exercícios, não apenas fazê-los mas entender a sua utilidade, rentabilidade. Desde muito cedo que ambiciono uma vida ligada ao futebol, um mundo que me encanta, me fascina, me realiza!
FafeDesportivo: Obviamente as pessoas, sócios adeptos e dirigentes, só terão de enaltecer o seu extraordinário trabalho. Mas não acha precipitada a sua saída, mesmo sabendo que a sua Direcção termina o mandato, mas pode continuar. Não o seduziria por exemplo tentar mais uma época no Silvares, para tentar bater um record, que foi a ida do clube às meias-finais da Taça A.F. Braga?
Vítor Pacheco: A decisão de abandonar o Silvares no final da presente época já foi tomada há algum tempo, e comunicada ao presidente nessa mesma altura, apenas foi tornada publica agora porque o clube estava na luta pelos primeiros lugares e era importante manter o foco e a concentração, apenas nisso. Se tivéssemos por exemplo ficado em 1º lugar sairia na mesma, a decisão estava tomada independentemente do que conseguíssemos em termos desportivos. Quando sentes que dificilmente terás condições de fazer mais, que os objectivos do clube não se enquadram com aqueles que defendes e idealizas o melhor é sair e procurar algo que vá de encontro ao que pretendes. Nunca fez parte de mim estar nos projectos por estar, ou estou com objectivos, ambições ou prefiro não estar. Conseguimos esta época a segunda melhor classificação do Silvares na última década, pelo menos dos registos que tenho conhecimento, apenas superada pelo título que conseguiu, salvo o erro, em 2008/2009. Não que este 3º seja um feito extraordinário, muito menos que me deixe realizado, mas atendendo aos objectivos que o clube tinha e à difícil realidade que enfrente, é algo que me deixa feliz e orgulhoso.      
FafeDesportivo: Sabemos que é muito rigoroso na análise aos jogos, já o era enquanto jogador, porque acompanhamos o seu percurso no Antime. Os jogadores da distrital, enquanto amadores, estão preparados para ouvir palestras, e visualizar e interpretar esquemas de jogos tipo futebol profissional?
Vítor Pacheco: Cada vez mais se trabalha bem no futebol distrital e a prova disso é por exemplo o que aconteceu este ano com o Olhanense, que não teve receio de apostar num treinador do distrital para enfrentar três jogos decisivos na luta pela manutenção no principal escalão do futebol português. Quantos clubes do futebol profissional não se reforçam com jogadores de escalões inferiores?! E não é apenas pela difícil conjuntura económica do país que o fazem, mas sim porque sabem que nos escalões secundários há muita gente com qualidade, à espera apenas de uma oportunidade para provar que tem tanto ou mais valor que os que lá estão. Defendo que devemos trabalhar da mesma forma quer estejamos no futebol distrital ou no profissional, a diferença está nas condições que tens para treinar e nos meios que colocam à tua disposição. Os meus jogos são preparados ao pormenor, não descurando o que quer que seja, os jogadores sabem por exemplo qual a posição que devem ocupar nas bola paradas, sabem qual a sua missão, responsabilidade neste tipo de lances, não ocupam a posição que querem ou lhes apetece, há a responsabilização. Pela experiência que tenho os jogadores gostam e aceitam bem esta forma de trabalhar, sentem que este é o caminho para evoluírem e darem o seu tempo por bem entregue, se temos que fazer há que procurar fazer bem! O tempo em que os jogadores de futebol eram vistos como pessoas com poucas capacidades intelectuais, que apenas tinham jeito para jogar futebol, há muito está ultrapassado, os jogadores são cada vez mais inteligentes, procuram cada vez mais entender o jogo e tudo o que o rodeia, o que exige cada vez mais dos treinadores, não basta fazer, tens de saber o que fazes e transmitir segurança, caso contrário não conseguirás que acreditem no teu trabalho. Se ambicionamos estar entre os melhores, temos que trabalhar como os melhores!

FafeDesportivo: Sente-se melhor enquanto treinador, ou ex-jogador de futebol ?

Vítor Pacheco: Prefiro que sejam os outros a fazer essa análise, o que sinto é que gostaria de atingir enquanto treinador patamares que nunca fui capaz de atingir enquanto jogador.
FafeDesportivo: O Silvares andou até perto do final do campeonato a “morder os calcanhares” aos candidatos à subida. O que falhou para subir de divisão?
Vítor Pacheco: Numa análise fria e realista, os pontos que perdemos com os últimos classificados seriam suficientes para ficarmos em primeiro lugar, no entanto nada posso apontar aos jogadores, pois foram sempre sérios na abordagem aos jogos, a motivação das equipas que estão no fundo da tabela quando jogam com as que estão no topo é enorme, se calhar em alguns desses jogos não conseguimos igualar essa motivação e isso custou-nos caro. Não é fácil ser campeão num clube que não tem essa ambição, onde as pessoas que gerem os seus destinos não estão focadas nesse objectivo, penso que se esse fosse o objectivo do clube e todos tivessem trabalhado em prol dele teria sido alcançado.
FafeDesportivo: Costumam transitar consigo jogadores que bem conhece. Preparado para pegar numa equipa sem nenhum atleta do actual plantel?
Vítor Pacheco: Quando saí de Antime nenhum jogador do denominado núcleo duro que se refere transitou comigo, vieram apenas comigo as dispensas, aqueles que o Antime não convidou a ficar, só este ano consegui trazer alguns que queria, não foi por isso que deixamos de fazer um bom campeonato no primeiro ano. No primeiro ano num plantel de 23 jogadores apenas 4/5 tinham trabalho comigo, todos os outros não conhecia. Este ano por exemplo o jogador mais utilizado do Silvares foi o Salgado, um jogador que não conhecia, nunca tinha sequer visto, que fomos buscar porque precisávamos de um central e nos deram boas referências dele. Existem de facto alguns jogadores que pela sua enorme qualidade enquanto seres humanos exemplares e futebolistas de elevado rendimento serão sempre primeiras opções em projectos que eu faça parte. Todos os treinadores procuram ter os melhores do seu lado, mas quando não é possível temos que estar preparados e rentabilizar ao máximo os que estão connosco, não tenho qualquer problema com isso!

 
FafeDesportivo: Toda a gente ligada ao futebol tem conhecimento do seu sportinguismo. Sabemos que é observador do Sporting Clube de Portugal. Tem apontado alguns talentos ao clube lisboeta?
Vítor Pacheco: Felizmente o trabalho que tenho feito nessa área tem corrido muito bem, no início de 2012 fui promovido, passando a ser um trabalhador assalariado do clube, faço actualmente parte dos observadores residentes, sinal que as pessoas estão satisfeitas com o meu trabalho.
FafeDesportivo: Apesar das suas habilitações como técnico lhe darem acesso a outros campeonatos, é no futebol distrital que sente bem, ou pretende dar o salto, sendo que ainda é jovem, 32 anos?
Vítor Pacheco: Como disse anteriormente tenho como principal objectivo conseguir alcançar como treinador patamares muito superiores aos que consegui como jogador. Trabalho diariamente na expectativa de conseguir evoluir em termos qualitativos, sou jovem ainda, sei que este é um mundo muito competitivo em que as oportunidades nem sempre surgem. Neste momento a minha realidade é esta, orgulho-me dos clubes que representei, se a oportunidade de treinar divisões superiores surgir estarei preparado e tudo farei para aproveitar essa oportunidade!
 
FafeDesportivo: Vai continuar a treinar no concelho de Fafe? Sabe que Fafe dá visibilidade aos treinadores…
Vítor Pacheco: Essa é uma pergunta para a qual não tenho resposta, treinei dois clubes em Fafe e foi um enorme orgulho representar ambos. Existem grandes clubes em Fafe, todos os treinadores gostariam de representar grandes clubes, mas neste momento não tenho qualquer proposta, logo não sei por onde passará o meu futuro.
FafeDesportivo: Diga-nos qual foi o seu maior triunfo desportivo?
Vítor Pacheco: Enquanto treinador ainda não conquistei qualquer título, espero poder abraçar projectos que me permitam fazê-lo. Enquanto jogador o título de campeão de juniores pelo Futebol Clube de Felgueiras, inédito no clube, que o levou pela primeira vez aos campeonatos nacionais foi o mais marcante.
FafeDesportivo: Não acreditamos que tal aconteça. Mas vamos imaginar. Consegue ficar um ano sem fazer uma das coisas que mais gosta na vida, treinar uma equipa de futebol?
Vítor Pacheco: Também espero que isso não aconteça, mas temos de estar preparados para todos os cenários, o mercado dos treinadores é muito vasto e competitivo e estar no activo não depende apenas da nossa vontade, por isso temos que estar sempre preparados, na certeza que se acontecer saberei esperar por nova oportunidade.
FafeDesportivo: Sendo um felgueirense de gema, natural e residente em Várzea, quem é para si o melhor clube do concelho de Fafe?
Vítor Pacheco: Não seria justo estar a enumerar um, até porque por dentro apenas conheço a realidade de dois. Existem grandes clubes, que neste momento dispõem de condições físicas de excelência que permitirão que atinjam ainda níveis superiores! E nesse aspecto presto aqui a minha homenagem à Câmara Municipal de Fafe pelo excelente trabalho feito, um exemplo a ser seguido por muitos municípios, ficaria muito satisfeito se o município de Felgueiras seguisse o exemplo. Fafe está neste momento na linha da frente no que diz respeito às condições para os seus jovens praticarem desporto, nomeadamente o futebol que é do que estamos a falar.  
FafeDesportivo: Agora que terminou o campeonato, permita-nos que lhe pergunte; que análise faz ao trabalho do seu ex-adjunto Francisco Castro, no Antime. Apenas lhe formulamos esta questão por se tratar do seu adjunto, nada de confusões…
 
Vítor Pacheco: Não me compete a mim analisar o trabalho do Francisco no Antime, nem seria justo fazê-lo, o Antime tem dentro da sua estrutura pessoas muito competentes, se o convidaram a continuar no clube é porque lhe reconhecem qualidade e estão satisfeitos com o trabalho desenvolvido. A mim não me surpreende que o tenham feito, pois reconheço muita competência ao Francisco, como amigo pessoal dele fico muito contente, não tenho duvidas que terá muito sucesso na sua carreira de treinador! 
FafeDesportivo: O seu telefone já tocou? Existe algum projeto na manga?
Vítor Pacheco: Não, por enquanto ainda não tenho nada.
FafeDesportivo: A nossa conversa já vai longa, apesar de ser sempre um prazer falar consigo. Quer deixar alguma mensagem, agradecimento, recado, para alguém?
Vítor Pacheco: Antes de mais agradecer a forma sempre simpática e cordial com que me trata, dar os parabéns pelo trabalho que tem desenvolvido, espero que o faça por muitos e bons anos, pois divulga e valoriza quem no desporto em geral e de Fafe em particular, trabalha. Os meus agradecimentos vão em primeiro lugar para a minha esposa, pelo apoio que sempre me dá, pela paciência que demonstra em aturar as minhas más disposições, pelo acompanhamento e incentivo constante. Depois agradecer a todos os que me têm acompanhado neste trajecto, todos contribuíram de forma decisiva para o meu desenvolvimento enquanto treinador, principalmente aos jogadores, é muito gratificante sentir que apreciam o meu trabalho e tudo fazem para que o mesmo dê frutos, estarei eternamente grato a todos pelo que me deram! Aos meus colaboradores Sérgio e David, obrigado pela lealdade, dedicação e competência demonstradas, foram uma indiscutível mais-valia, o futuro terá reservado algo de bom para nós!

 

 

 

 

 

domingo, 26 de maio de 2013

Sorteio de Futebol 7 do Arões S.C.


Realizou-se esta tarde o sorteio do Torneio de Futebol de 7 | VETERANOS do ARÕES sport clube. O sorteio decorreu com a presença de quase todos os representantes das 8 equipas participantes. Contrariamente ao ano transato, o torneio não se realizara por grupos, mas sim, com as 8 equipas a disputarem um campeonato.

Os quatro primeiros classificados apuram-se para os “playoffs” de onde sairão os 2 finalistas, que se defrontarão na final do torneio.

Dia 28 Terça-feira | 1ª jornada

21H00 . Geração Benfica x Cepanense

22H00 . Pastelaria Refugium x Amigos de Travassós

Liga Futsal: Sol Poente é o Campeão da temporada 2012/13


Por: AFF
Sol Poente campeão 2012/13

Longo reinado do Stº Ovídio foi quebrado

Jogo fantástico, com muito público
Sol Poente voltou a ser feliz nas grandes penalidades

Futsal/Taça do Minho: Agora importa vencer am Airão para disputar a Final! : Grupo Nun'Álvares, 2 - Fundação J. Antunes, 1


Futsal/Taça do Minho

Grupo Nun’Álvares, 2 – Fundação Jorge Antunes, 1

Agora importa vencer em Airão para ir à Final !

Belinha, quase intransponível, efectuou uma excelente exibição
 

Texto e fotos: Abel Castro

Este jogo entre duas equipas que se conhecem bem, o Grupo voltou a sentir dificuldades para levar de vencida a formação vizelense.

Entraram melhor na partida as visitantes, e aos 15 minutos a guarda-redes Belinha defendeu com segurança um penalti a favor da Fundação.

Depois coube a Rafaela colocar de novo à prova Belinha, num remate forte e que levava boa direcção.

O Nun’Álvares respondeu e equilibrou o jogo.


 


Aos 13 minutos as fafenses adiantaram-se no marcador, depois de um primeiro remate de Kelly ao poste, e na “retoma” Ana não perdoou e fez o 1-0.

Já com o Grupo a dominar a partida, Mariana levou a bola com estrondo ao poste perto do intervalo.

Na segunda metade a equipa de Vizela entrou forte, e ao segundo minuto Liliana Silva rematou forte e rasteiro sem hipóteses de defesa para Belinha, empatando o jogo.

Mas as meninas de João Nuno Sousa voltaram a demonstrar o seu real valor, e aos 38 minutos Pisco foi derrubada em lance para penalti não assinalado.

A mesma jogadora no minuto seguinte enviou a bola à barra da baliza de Liliana.

Sempre a dominar, falyava ao Nun’Álvares apenas o golo.

Aos 55’ Kelly falhou, ao segundo poste, aquele que seria o 2-1.



No minuto imediato o Grupo beneficiou de um livre directo a cerca de dois metros da área, tendo Joana executado de forma soberba, forte e rasteiro, com a bola a entrar junto ao poste esquerdo de Liliana.

Ainda tentaram as visitantes, mas quem poderia ter marcado novo golo foi Cátia, numa “bomba” ao poste, no último minuto.

Com esta preciosa vitória, o Grupo Nun’Álvares saltou para as meias-finais, que serão disputadas no próximo sábado perante um adversário nada convidativo, o Airão.

Mas, se as atletas mantiverem a concentração e força patenteada neste jogo, é bem provável que possam fazer mossa no próximo adversário. Assim seja!

 

Jogo no Pavilhão do Grupo Nun’Álvares, em Fafe
GNA: Belinha, Vera, Ana (1), Mariana, Ju, Cindy, Maria, Joana (1), Kelly, Pisco e Cátia.

Treinador: João Nuno Sousa.

FJA: Liliana, Rafaela, Marlena, Helena, Andreia, Sofia, Letícia, Liliana Silva (1), Filipa, Flávia, Sara e Solange:
Treinadora: Estela Torres.


Declarações:
João Nuno Sousa (Treinador do GNA)


 

"Queremos vencer a Taça do Minho"

“Sim de facto já defrontamos esta equipa e nunca conseguimos vencer com facilidade. Os resultados costumam ser sempre muito equilibrados. Mas as minhas atletas sabiam disso, actuaram concentradas mesmo depois de estar em desvantagem, e isso valeu-nos uma vitória que eu considero justa. Agora que passamos os quartos-de-final, vamos ter de enfrentar o Airão, a minha equipa preferida, onde vamos tentar um resultado positivos para vencermos esta Taça do Minho”

 

sábado, 25 de maio de 2013

Madeira SAD, 31 - A.C. Fafe, 35 (Andebol fez história ao terminar o Campeonato Nacional no 8.º lugar!

Madeira SAD, 31 - A.C. Fafe, 35

Classificação histórica! 2.º no Grupo e oitavos na classificação Nacional!

 

Texto e foto: Abel Castro

O Andebol Clube de Fafe venceu o Madeira Sad por 35-31, e terminou em autêntica beleza esta Fase de Manutenção.

A equipa provou mais uma vez o seu real valor, bem patenteado nesta Fase, alicercado em exibições convincentes e seguras.

Ao intervalo o resultado ditava uma vantagem para os insulares de 14-12, mas a "locomotica" Eduardo Sampaio voltou a funcionar, ao juntar à sua conta pessoal mais oito golos. Cláudio Mota e Luís Nunes "facturaram" por sete vezes também, e Pedro Peneda, numa casa quem bem conhece, apontou seis.

Refira-se quem em 10 jogos disputados na Fase de Manutenção, a equipa de Nuno Santos venceu sete!

É caso para nos interrogar-mos...E se o Campeonato começasse agora!? 

Juvenis 2.ª Divisão/Série C : G.D. Vasco da Gama, 1 - A.D. Fafe, 2 (Triunfo no dérbi não deu para ser Campeões)


Campeonato Distrital Juvenis B-2.ª Divisão/Série C

G.D. Vasco da Gama, 1 – A.D. Fafe, 2

Triunfo no dérbi não bastou para o Fafe ser campeão

 - Esse título pertence ao Joane que venceu a Oliveirense 2-0

Texto e fotos: Abel Castro
 
 

O dérbi entre o Vasco da Gama de Medelo e a associação Desportiva de Fafe terminou com uma vitória da equipa orientada por Mario Bi por duas bolas a uma.
Marcou primeiro a equipa de Hélder Oliveira, técnico da casa, quando Ivo aos três minutos fez o primeiro golo num remate cruzado vindo da direita do seu ataque.

O Fafe respondeu de imediato, dispondo de dois cantos. Ao 17’ Lousada, que viria a ser o homem do jogo, marcou os dois golos, avisou que a sua equipa estava perto do empate ao atirar ligeiramente por cima do travessão.
O mesmo jogador ao minuto 24 fez o golo da igualdade. Num remate por si efectuado, Duarte foi forçado a uma defesa de recurso, tendo o dianteiro do Fafe, na recarga, enviado para o fundo da baliza.

Na refrega do golo, Toni viu o cartão vermelho, ficando o Vasco da Gama a jogar com 10.

Na segunda metade a equipa de Medelo entrou melhor nos instantes iniciais, quando benificou de dois cantos consecutivos.

Não se notava grande coisa o facto de o Fafe jogar com mais um, e o Vasco acreditava ser possível operar a reviravolta.
Decorrido um quarto de hora da segunda metade, a A.D. Fafe reequilibrou, e Scolari teve boa chance de aumentar num remate de cabeça que saiu um tudo-nada ao lado da baliza de Duarte.
Aos 57 minutos, Lousada atirou de muito longe, com o seu pé de eleição, esquerdo, e surpreendeu Vasco que, certamente não contava com o remate repentino do avançado da A.D. Fafe, tendo a bola entrado na baliza junto ao seu poste direito.
 
Aos 64 o Vasco da Gama por pouco não igualou. Cavaco saiu da baliza, terá tropeçado antes de segurar a bola que não segurou, e Tiago não aproveitou para colocar o resultado em 2-2. Na sequência do lance Cavaco saiu lesionado, entrando para o seu lugar Rui, muito ovacionado.
Nos últimos instantes os Medelenses ainda fizeram um forcing para chegar de novo à igualdade, mas quem falhou o terceiro golo foi Scolari quando, “na cara” de Duarte atirou para excelente defesa deste.
Com os ouvidos em Sta. Maria de Oliveira, onde jogava o Joane, fomos sabendo do evoluir do resultado, que foi durante muito tempo de 1-0, mas os joanenses perto do final fizeram o segundo golo e sagraram-se campeões.
Os juvenis da A.D. Fafe manifestaram alguma mágoa e tristeza quando souberam o resultado, contudo alguém lhes disse, e bem, para “não se esqueceram” que também tinham subido de divisão. Aí celebraram e até deram autógrafos a algumas fãs que os aguardavam à porta dos balneários.

À…grandes CRAQUES!!!

Jogo no Campo José Manuel O. Rodrigues, em Medelo

Árbitro: Gualter Castro auxiliado por Marco Silva e José Freitas

G.D.V. Gama: Duarte, Toni, Samuel, Nuno, Guidi, Flávio (Miguel 41), Filipe, Rui, Ricardo (Baixinho 75), Ivo (Tiago 59) e Gonçalves.

Treinador: Hélder Oliveira

A.D. Fafe: Cavaco (Rui 66), Ferreira, Costa, Mario, Rui M, João Pedro (Pedro Silva 55), João Pedro, Ricardo, Zé Castro, Lousada, Scolari e Xico (kiko 70).

Treinador: Mário BI


Declarações:
Hélder Oliveira (Treinador do Vasco da Gama)




"Arbitragem inclinou para o Fafe"

"Em primeiro lugar quero dar os parabéns ao Fafe pela subida. Em relação a este jogo penso que não fomos em nada inferiores, pelo contrário, a jogar com 10, mostramos que não somos inferiores a equipas que ficaram melhor classificadas que nós. A arbitragem esteve um pouco inclinada para o Fafe. A nossa ideia é para manter a aposta na formação, porque como hoje ficou demonstrado, acho que vale a pena dar continuidade a este excelente trabalho no Vasco da Gama".




 

 Mário BI (Treinador da A.D. Fafe)



"Fomos dignos até ao último minuto"

"Lutamos até ao final na tentativa de sermos campeões. Isso não aconteceu, mas fomos dignos, honramos a nossa camisola, e resta-nos dar os parabéns aos vencedores, embora pense que o título de campeões nos assentasse melhor. Neste jogo vencemos um bom adversário, que também tem bons jogadores, mas o campo criou algumas dificuldades à minha equipa. Terminamos o campeonato subindo de divisão, mas tivemos de sofrer durante a época. Defrontamos muitos adversários com campos como este, totalmente diferente daquele onde trabalhamos durante a semana, e isso valoriza ainda mais a nossa classificação. Os jogadores ficaram um pouco tristes no final ao ter conhecimento que o Joane tinha vencido, mas depois de um abraço entre todos voltou a felicidade e o sabor da nossa subida".